Se em último caso a greve se tornar inevitável, você é:

domingo, 3 de abril de 2011

Os ativistas da demagogia e da corrupção - A estreita relação entre os ativistas dos Direitos Humanos e os políticos corruptos


Autor: Segura a peteca






Bom dia, senhores.

Hoje, 16.03.2011, após assistir a um vídeo no youtube http://www.youtube.com/watch?v=UR4DaFhCtVE em que um criminoso faz uma trabalhadora refém em uma farmácia e foi habilmente abatido pela polícia de Pernambuco (a ocorrência é de 14.03.2011), a após ler os comentários do vídeo, fui surpreendido por um “insight”, palavra esta que pode ser traduzida como ...“O ato ou resultado de apreender a verdadeira natureza das coisas”... (Wikipedia, pra não demorar muito na pesquisa), acerca da relação entre Direitos Humanos e o crime no Brasil. Não vou comentar a ação policial, ela foi perfeita.

Sempre me perguntei o porquê de as atividades dos Direitos Humanos NO BRASIL, serem conflitantes com a polícia e, por conseguinte, com a sociedade. Há, nesta investigação superficial, alguns indícios que explicam a lide. Um deles é o fato de as polícias Civil e Militar terem passado à modernidade democrática sem sofrerem nenhuma modificação estrutural desde sua origem na ditadura militar de 1964. Alguns vão dizer que as polícias precedem esse evento político, que elas são seculares. Isso só piora o quadro atual, pois o que se percebe facilmente é que o “espírito” desses corpos policiais ainda é o da ditadura, percebam a estrutura, o treinamento, a doutrina e a ação. 

Se por um lado, esses fatores geram a crítica constante aos corpos policiais por parte dos “ativistas” dos Direitos Humanos, por outro não geram a chamada “alteridade” entre a polícia e a sociedade. Alteridade pode ser sinonimizada por confiança. O que temos então, são corpos policiais cujos cidadãos necessitam... mas não confiam!  Esse é o combustível do eterno embate entre “ativistas” dos Direitos Humanos e os policiais, ou seja, isso faz com que a sociedade se comporte com dúvida no tocante às ações policiais, ou por vezes se alinhe com o pensamento dos “ativistas”. Em outras palavras: a sociedade não se identifica com o seu corpo policial, a sua “malha protetora”. 

Por outro lado, essa mesma sociedade que não confia na polícia, critica ferozmente a ação dos “ativistas” dos Direitos Humanos, e neste momento, policiais e sociedade se alinham. O que ocorre?  Policiais, em primeiro lugar, são oriundos da sociedade, apesar de que na ocasião da sua incorporação à polícia, alguns destes indivíduos experimentem a realidade da perda ou restrições gravíssimas do status da cidadania, como é o caso dos policiais militares, tolhidos em um sem número de direitos. Em segundo lugar, a perda desse status não implica na perda da capacidade de se indignar, e então policiais e sociedade são uno.

Essa unidade que nasce da indignação, sentimento comum entre policiais e sociedade, parece não atingir os “ativistas”, ou a indignação deles é seletiva... só serve aos criminosos. Diante de inúmeros casos de violência que vitimam diuturnamente a sociedade em geral e também os policiais, silêncio por parte dos “ativistas”. Neste momento eu lembro que há outra categoria que também silencia diante dessas mesmas atrocidades do cotidiano brasileiro: os políticos. Então, o que há em comum entre os “ativistas” dos DH e os políticos brasileiros? Há muuuito!

Tal relação sempre me inculcou proximidade (ou promiscuidade) entre ambos, e aí surge a pergunta, mãe de todas as mudanças: por que diante de infindáveis denúncias, evidências, comprovações, acusações, sentenças judiciais considerando culpado de corrupção a grande maioria dos políticos brasileiros (acreanos tem seu lugarzinho garantido no “Hall” da fama da corrupção), os “ativistas” se calam ou não denunciam tais políticos à Justiça, à sociedade ou às Cortes Internacionais, por violarem o presente e o futuro da Nação brasileira?

Deixa que eu respondo! EU fiz a pergunta! A atuação dos “ativistas” segue o molde da política e da Democracia à La Brasil, uma Democracia sui generis. Você já se perguntou, por exemplo, como é que o Estado possui “Secretaria de Direitos Humanos” se ELE é o maior violador contumaz desses direitos???  Ou corrupção não fere os Direitos Humanos??? Quero entender que espécie de ativismo é esse que tem a ânsia em denunciar um tapa que um policial mal treinado, mal pago, sem cidadania e sem direitos (por culpa dos políticos corruptos), dá num criminoso (também por culpa dos políticos) e esse mesmo ativismo não vê na corrupção a mãe de todas as violações universais!

Se a polícia e a “truculência policial” (os policiais militares, são MILITARES: são treinados na prática do policiamento ostensivo com táticas/técnicas MILITARES, é fato imutável: não há gentilezas no militarismo!) fossem problemas de interesse do Estado isso já não teria sido resolvido? Você já viu um “ativista” denunciar um político por corrupção? Que governador quer abrir mão de ter o controle da polícia com uso político contra seus opositores e contra professores mal pagos que reivindicam um salário melhor? De onde vem o dinheiro que paga as contas de luz; água; telefone fixo; celular “chapa branca”; Internet; alimentação; material de limpeza; material de expediente; gasolina; compra/aluguel de prédios-sede dos movimentos “independentes”, os chamados CDHEPs da vida; veículos alugados/comprados; e até despesas pessoais dos “ativistas”? O DINHEIRO VEM DO ESTADO, através DOS NOSSOS IMPOSTOS! Muito embora sejam mascarados como “doação”! Para todas as perguntas há uma só resposta. 

Os “ativistas” brasileiros dos DH e os políticos são gêmeos xifópagos, são irmãos siameses. Como no Brasil tudo se degenera, a Política de Direitos Humanos, desenvolvida para cessar os abusos (inclusive a corrupção, mãe das violações universais) do Estados contra seus cidadãos (Hannah Arendt, discorre acerca disso na obra “A Condição Humana”), é monopolizada pelo Estado violador. Virou um negócio de poucos no Brasil. É questão de perceber que os ativistas vivem da demagogia e da corrupção que gera toda essa violência.

3 comentários:

  1. CAPITÃO MORRIMENTO 20113 de abril de 2011 06:34

    Apesar de tudo....
    Queremos férias no Ceará, na casa do nosso colega Bombeiro carlos Fonseca.
    Queremos lagostas, bugre, moto na praia, forró, pagode, mergulho, tirolesa, jangada, moqueca de arraia, camarão, caranguejo.....
    Queremos muitos dias de dignidade !
    Ceará, aí vamos nós !!
    Convido os amigos que queiram conhecer o Ceará para irmos juntos, pelo menos uma turma de uns 8 colegas. Vamos sacudir aquilo lá.
    Deixe o seu comentário aqui e use mais o blog fala caserna, ele é de todos nós !

    ResponderExcluir
  2. Excelente texto!
    Se for um PM/BM quem escreveu isso, o governador precisa se preocupar urgentemente com a Segurança Pública, a julgar pelo que lemos aqui, a PM/BM já não é aquela instituição acéfala e truculenta de outrora... Te cuida, governador...

    ResponderExcluir